Para tornar mais palpável tudo o que foi apresentado no e-book anterior, fizemos uma breve entrevista com o Empresário Paulo Campos.

Diretor da Clínica Facilita, sediada no coração financeiro de Salvador, a maior capital do Nordeste, nos passou uma visão bem completa do universo de Clínicas Populares.

Nesse rápido bate-papo, ele mostra como vislumbrou a oportunidade de mercado e como o uso de recursos tecnológicos tem sido essencial na difícil tarefa de manter o complexo negócio inteiratamente sob controle.

Ele não abre mão dessa estratégia para se manter competitivo no mercado, uma vez que a boa oportunidade atrai diversos competidores, tornando imprescindível a necessidade de estar sempre à frente.

Entrevista

Dentre tantas opções de negócio a se montar na área da saúde, por que uma clínica popular?

Na verdade, acho o termo “Clínica de Varejo” mais adequado, pois mostra que é uma clínica mais acessível às pessoas, independente de elas terem plano de saúde ou não. Este é, inclusive, o modelo mais visto nos Estados Unidos, por exemplo.

A ideia de montar a Clínica Facilita foi, justamente, pensando em tornar o acesso a saúde mais fácil, num cenário em que muitos estão perdendo seus planos de saúde ou são mal atendidos pela rede pública.

Desde o início do projeto, o nosso foco principal era de criar uma clínica que fosse mais fácil de as pessoas chegarem, mais fácil de marcar uma consulta e se consultarem. Tivemos a preocupação de ter um local com estacionamento, de ter ponto de ônibus perto, dentre outros detalhes.

Facilidade, ambiente confortável e qualidade de atendimento são valores que pretendemos replicar em todas as unidades futuras da Clínica Facilita.

Quais as principais dificuldades encontradas para montar uma equipe multidisciplinar?

Realmente, não é uma coisa simples montar uma equipe multidisciplinar, com diversos profissionais, de diferentes áreas da saúde. É papel do gestor da clínica captar estes profissionais no mercado e, para isso, ter um bom Diretor Técnico e uma estrutura adequada que passe segurança aos profissionais é fundamental.

Visto isso, o próximo passo é divulgar a clínica, mostrar que chegou no mercado local, o que acaba atraindo profissionais. Isso permite que se vá montando a equipe aos poucos, pois, às vezes você tem a procura pela especialidade, mas não tem o profissional; outras vezes, se tem o profissional de uma especialidade que não tem demanda.

Então, para encaixar esse processo, é preciso muita estratégia e muita visão do mercado local. Acredito que seja uma das maiores dificuldades para quem está montando uma clínica nova: encaixar a demanda de pacientes com a oferta de médicos.

Vimos a formação de grandes grupos neste segmento, como Dr. Consulta, e a pulverização local, ainda que regional, desse Modelo. Quais os principais desafios para uma eventual consolidação diante, por exemplo, da forte concorrência no segmento?

Em todo mercado tem concorrência. Se você tiver medo de concorrência, não abre negócio em nenhum lugar do mundo, em nenhum país, nem no Brasil, nem em Salvador, enfim…

Temos que estar prontos para abrir o nosso negócio e trabalhar prezando pela qualidade. Deve-se pensar sempre em atender o paciente da melhor maneira possível. É importante se lembrar, também, do paciente enquanto cliente. Ele deve pagar um preço justo pelo serviço prestado, para que retorne sempre. Assim, nós podemos crescer e expandir nosso negócio, seja através de franquias, seja através de novas unidades, etc.

Essa é a nossa visão aqui na Clínica Facilita: crescer com qualidade, de forma sustentável para nos consolidarmos no mercado aos poucos.
Não temos medo de concorrência, pois isso faz parte de qualquer mercado aberto e acredito que esse formato de negócio tenda a se consolidar nesse mercado de clínicas. Pretendemos e esperamos,ser um dos players desse novo mercado.

Então, vocês estão abertos a franquear?

Sim, temos interesse em franquear. Estamos nos estruturando para que isso já possa ocorrer a partir do segundo semestre de 2017. Já há empresários interessados em conversar a respeito. Porém, só teremos mais detalhes do processo a partir do próximo semestre, quando já estivermos mais estruturados, uma vez que um negócio de clínicas é muito complexo e os procedimentos tem que estar muito amarrados.

Qual a importância do Marketing na estrutura de custos para iniciar e manter rodando um negócio desse tipo?

Um bom planejamento de Marketing é fundamental para o início de qualquer negócio, independente do segmento. Na área de Saúde não é diferente. Por muitos anos, talvez a questão do Marketing na área de Saúde tenha sido um pouco negligenciada por conta dos planos de saúde, que eram a grande fonte de clientes para uma clínica recém criada. Hoje em dia, já não é mais assim. Por isso, é imprescindível ter um bom plano de Marketing, criar uma boa marca ou ter uma boa marca por trás, como por exemplo, a da Clínica Facilita.

Essa marca que nós temos demandou um custo alto e muito trabalho para ser denvolvida. As pessoas não tem noção do quanto é trabalhoso criar uma marca consistente, colocá-la no mercado e fazer com que as pessoas conheçam e tenham contato com ela. Então, o Plano de Marketing é fundamental, desde a contratação de uma agência de publicidade para a criação da marca, a escolha das mídias que você vai utilizar para divulgar, o investimento que você vai fazer em cada mídia, porque o retorno de cada mídia é diferente…

No início você não tem escala, então usar mídias mais pulverizadas como rádio ou TV acaba não trazendo o volume necessário versus o que se investiu. É preciso ser uma coisa muito bem pensada, e que às vezes o empreendedor na área de saúde, principalmente quando não tem experiência no segmento de varejo, acaba tendo dificuldade ou investindo muito e não tendo retorno, ou mesmo investindo aquém do necessário para fazer com que o negócio tenha o movimento necessário para girar sozinho.

O que foi determinante na escolha do software para o grupo?

Nós pesquisamos muito e vimos os diversos Softwares do mercado. Avaliamos diversos fornecedores na Bahia e em São Paulo, e optamos pelo Saúde Vianet porque, na minha visão, ele é o Software que melhor atende ao nosso estilo de marcação, tem o aspecto visual mais confortável, mais facilidade na importação de dados, facilidade de manuseio por parte da equipe e, sem dúvida, o maior potencial de desenvolvimento tecnológico.

Existiam softwares mais antigos no mercado e mais caros. Mas optamos por aquele que entendemos como parceiro, capaz de crescer junto conosco, agregando cada vez mais novas opções e funcionalidades no software de acordo com a nossa necessidade – e é o que vem acontecendo nesses 6 meses de operação, o software vem evoluindo juntamente com a clínica.

Como você cuida da comunicação com os seus pacientes?

Nós temos uma agência de publicidade que cuida da nossa comunicação e cria nossas peças – tanto as que rodam em nossas TV´s internas, quanto as que vão para o mercado. Obviamente, tudo ocorre com meu acompanhamento, que sou o gestor e, por isso, é meu papel pensar na estratégia, junto com a agência, para podermos comunicar ao mercado.

Também utilizamos o telemarketing, utilizando a base de pacientes que fomos criando ao longo da evolução do negócio, SMS e emails, que são ferramentas que já estão disponíveis no Saúde Vianet.

Uma clínica popular tem um fluxo de pacientes muito alto. Como a sua recepção consegue organizar o alto fluxo de agendamentos e ainda dar conta do atendimento aos pacientes?

Esse é um ponto, de novo, importantíssimo não só para clínicas, mas para qualquer negócio: sem controle não há gestão, e se você não faz a gestão do seu negócio, naturalmente, você não vai ter sucesso. Uma coisa deriva da outra.

Você precisa controlar custos, as receitas, a curva de quais médicos estão produzindo mais, quais especialidades são mais procuradas, quais são as maiores despesas da sua clínica, de onde vem o seu cliente, qual o perfil do seu cliente, etc.

Isto é, um somatório de informações que, se não forem tratadas pelo gestor, as chances de se obter sucesso em qualquer negócio – não só em clínicas – é muito pequena.

E o mundo está cada vez mais complexo, você precisa ter indicadores sempre à sua mão, de forma fácil, de visão simples, para você poder monitorar o seu negócio, orientar a sua equipe e conquistar cada vez mais clientes.

Como você faz para organizar as informações dos pacientes? E os documentos produzidos nas consultas?

Minha organização é pautada numa geração mínima de papel.Os laudos e as receitas são levados pelo paciente. Já as solicitações de exames, nós as guardamos por alguns meses, muito mais para efeito de arquivo e controle dos pacientes, o que gera muito pouco documento físico.
No entanto, guardamos uma versão impressa de alguns poucos relatórios do negócio, como por exemplo, de faturamento e despesas. Conduzimos dessa forma porque não faz sentido acumular papel, em pleno século XXI, a menos que seja realmente necessário.

Para dar conta de tudo, é necessário muita organização. Como otimizar a gestão de tantas informações, mantendo uma equipe o mais enxuta possível sem perder a qualidade e a confiabilidade das informações?

Isso varia muito com a experiência do gestor. Você tem que manter a sua equipe organizada, manter seus controles em dia, ter os procedimentos operacionais corretos, afinal, estamos falando de clínica, de saúde das pessoas.

Para a equipe de recepção conseguir dar conta da quantidade de movimento da clínica, atendimento telefônico, conferência de agendamento online, recepção na porta, suporte aos médicos que podem precisar de alguma coisa, etc., é, realmente, muita coisa ao mesmo tempo. Para mim, o mais importante é padronização do atendimento e, treinamento da equipe.

Se você não tiver um treinamento padrão para a sua equipe, se você não orientar como o atendimento deve ser feito as coisas se embolam, a equipe não prioriza o que deve ser feito e acaba que o paciente sente isso durante a confusão que vira a recepção com tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo.

Então, o Software vem muito para ajudar: uma vez que ele é fácil de ler e fácil de mexer, acaba economizando tempo da equipe para que ela possa se dedicar melhor ao atendimento ao público.

Se você perde muito tempo com o software, acaba não tendo tempo para se dedicar ao que é mais precioso para o seu negócio: o seu cliente.


POSTS RELACIONADOS