Fazer a boa gestão de um negócio não é uma tarefa fácil, com a gestão de clínicas não é diferente.

Na maioria das vezes, os gestores de clínicas e consultórios são os próprios médicos, que ou são os próprios donos do negócio, ou foram subindo de cargo até alcançarem o patamar da gestão.

O ponto é: geralmente não são administradores ou profissionais de fato especializados para tal cargo.

O que não significa que por isso sejam incapazes, muito pelo contrário, isso mostra o quanto esses gestores precisam se reinventar e dia após dia para manter o crescimento do negócio e o fazem com primor!

Por outro lado, avanços tecnológicos e midiáticos têm trazido à tona uma nova necessidade de representatividade e sensação de pertencimento do consumidor com os seus produtos e serviços.  

Nesse sentido, exige-se cada vez mais uma didática voltada ao ser humano. Ou seja, mais uma coisa sobre a qual o médico-gestor deve ter atenção se quiser manter a sua clínica em crescimento.

Portanto, uma gestão estratégica realmente eficiente deve sair à frente para, em um cenário tão saturado de profissionais e propagandas, ter mais atenção quanto ao foco dado ao paciente

Gestão de clínicas com humanismo.

Se não for ele o foco da gestão da sua clínica, quem será? Só assim uma verdadeira transformação na gestão será capaz de acontecer! 

São pequenas chaves necessárias para verdadeiramente sairmos do patamar cômodo e nos lançarmos em um ritmo acelerado de conquista de novos pacientes e fidelização dos mesmos.

Para consolidar essa relação entre o paciente e a sua clínica, entender o público alvo é uma necessidade primordial.

Analisar a ocorrência de pacientes por faixa etária, bairro, gênero e classe social, por exemplo, pode facilitar o seu entendimento sobre o universo daquele público e, com isso, você ter insights valiosos sobre abordagens, promoções, preços e tantos outros fatores importantes.

Além do mais, ao estabelecer uma gestão com foco no paciente, suas necessidades e motivações, torna-se mais palpável até mesmo a confiança entre paciente e médico, transferindo valor da gestão até mesmo para o momento do atendimento.

Como pudemos perceber até aqui, este conteúdo abordará algumas questões sobre a gestão de clínicas, sobretudo com foco no paciente. Portanto, se você quer ampliar o seu vocabulário sobre o tema, vem com a gente!

Quais as atribuições do profissional que faz a gestão da clínica?

A gestão de clínicas tem como objetivo mapear, controlar e analisar diversos fatores em busca dos melhores resultados possíveis para o negócio e para as pessoas que dependem dele: colaboradores e pacientes.

Portanto, o gestor de uma clínica é a pessoa encarregada por tomar as decisões estratégicas que envolvem todo o negócio, sempre pensando na melhor saída em cada situação, seja o melhor caminho para o crescimento, ou até mesmo a melhor solução para algum problema.

Responsabilidade de quem atua na gestão de clínicas.

Alguma das funções desse profissional são:

  • Analisar os indicadores do negócio para acompanhar o status de tudo.
  • Traçar metas a longo, médio e curto prazo.
  • Fazer e colocar em prática um planejamento estratégico consolidado.
  • Estabelecer objetivos para os diferentes setores da organização.
  • Organizar a logística para o atendimento médico.
  • Prever possíveis gargalos a fim de otimizar processos.
  • Estabelecer parcerias de negócio.
  • Analisar a melhor forma de reduzir os custos e otimizar os investimentos.
  • Aumentar o faturamento.

Com isso, percebemos o que fazer a gestão de uma clínica é uma atividade que requer um profissional em constante movimento de aprendizado e acompanhamento das novidades da sua área e da concorrência. 

Nesse sentido, entra justamente a questão de reinventarmos a maneira com a qual tratamos os pacientes até aqui. 

Eles estão cada vez mais exigentes no nível da entrega de valor que esperam em uma clínica: do atendimento ao espaço físico, da prestatividade à agilidade dos processos.

Quais são os erros mais recorrentes quando o assunto é gestão de clínicas?

Existem alguns pontos que são mais fáceis de identificar enquanto recorrentes ao observarmos não só a gestão de clínicas e consultórios, mas a gestão dos negócios como um todo. 

Confira e não faça igual:

Não investir no treinamento dos colaboradores

Profissionais capacitados tendem a trabalhar mais satisfeitos e motivados, o que se reflete no modo com o qual as suas tarefas são executadas na rotina do trabalho.

Engana-se quem pensa que é só o atendimento que deve ter atenção. Das áreas mais técnicas às atividades mais operacionais, das maiores inovações, como a telemedicina, aos processos mais tradicionais… toda a sua equipe merece a devida atenção. 

Além do mais, feedbacks com pontos de melhoria e pontos destaque e até mesmo o estabelecimento de metas com recompensas são ações que costumam ser muito bem vindas. 

Afinal, todo profissional merece atenção e zelo com o esforço do trabalho que presta.

Confira abaixo alguns indicadores para se ter em mente na hora de pensar no treinamento do seu pessoal:

 

Não definir indicadores e metas

A gestão de uma clínica médica requer a decisão sobre quais serão os indicadores que serão observados para analisar o desempenho de diversos fatores do negócio. 

É através desses indicadores que se pode estabelecer as metas e os objetivos à longo, médio ou curto prazo dentro de uma gestão de clínica, etapa fundamental para o negócio. 

Afinal, é acompanhando tais metas que se pode ter uma real noção do andamento das coisas em relação às expectativas e aos investimentos.

Nesse sentido, é importante frisar que para o estabelecimento dos objetivos se faz necessário um diagnóstico preciso da situação atual. 

Quanto mais o profissional souber sobre os padrões que ocorrem nos diversos setores, como custos, necessidades, falhas, índices que precisam ser melhorados e mesmo coisas que já têm dado certo, melhor será a sua base para a tomada de metas realmente alcançáveis e que façam sentido.

Afinal, é preciso ter bom senso. Não dá para traçar a conquista de 10 mil novos pacientes em um ano se a sua clínica não atende nem 10% disso atualmente.

Gestão de indicadores em clínicas.

Agora que falamos dos erros mais comuns, queremos levantar a bola novamente para a importância em focar no cliente em todas as etapas de todos os processos. 

Nem que seja por um segundo, imagine o quanto aquilo poderá afetar o seu paciente e se coloque no lugar dele.

Pensando em ampliar os seus horizontes nesse sentido, confira o que preparamos para você e para a sua gestão:

5 dicas preciosas para ter uma gestão de clínicas com foco no paciente

1. Estabelecer uma conexão com as pessoas.

Manter o foco nos pacientes é o primeiro passo, estabelecer uma conexão com a pessoa é um nível além do primeiro contato. Pode parecer óbvio, mas nem sempre é um objetivo dos profissionais da área.

Procure ouvir o paciente e o contexto no qual o mesmo está envolvido. Seja ele familiar, social ou até mesmo profissional. A saúde do paciente é um reflexo de sua vida. E instrua o seu corpo clínico a ter a mesma sensibilidade.

Ou seja, entender o paciente e sua vivência permite tanto ajudá-lo e estabelecer a confiança necessária entre médico-paciente, um ponto chave na gestão de clínicas e consultórios com foco nos pacientes.

2. Invista no seu consultório.

O consultório é o primeiro contato que o paciente tem com o médico. Assim, é importante que ele seja limpo, organizado e reconfortante. Não significa que você precisa contratar um super arquiteto renomado… não, não é isso!

O que queremos aqui é te convidar a se colocar no lugar dos pacientes que chegam até a sua clínica ou consultório: qual seria a sensação que você teria em primeiro momento, caso fosse um ambiente completamente novo para você?

A sala de espera é o ambiente onde o paciente aguarda para ser atendido. Muitas vezes ele está com preocupações na cabeça ou até mesmo sentindo algum incômodo, portanto utilize poltronas ou estofados confortáveis, mantenha as revistas atualizadas e a televisão ligada em um volume bem baixinho, para distrações em caso de atrasos

Tudo para gerar conforto aos pacientes e seus acompanhantes. A gestão da sua clínica pode ser atenciosa com os mínimos detalhes, são eles que fazem toda a diferença.

3. Tenha uma equipe bem preparada.

Uma clínica médica é acima de tudo uma empresa, e como qualquer outra, a equipe é o coração da organização.

Portanto, a escolha da equipe presente na clínica é imprescindível para estabelecer uma melhor relação médico-paciente.

Lembre-se que a recepção é o primeiro contato que o paciente tem com você, ou seja, a atuação desse setor é crucial, pois a primeira impressão para o público vem do seu contato com a recepção. 

Portanto, o treinamento e o preparo da equipe é muito importante. É um fator importante para estar sempre atento em uma gestão de clínicas.

Mas lembre-se: um profissional que atende bem é um profissional que está satisfeito com o seu trabalho, portanto, não adianta investir em treinamentos e capacitações se o seu colaborador está ganhando pouco, se está sobrecarregado ou se frequentemente é tratado com grosserias.

Avaliar esses fatores para pensar em soluções também faz parte de uma gestão de clínicas com foco no paciente.

4. Procure ser paciente.

Ter paciência é uma característica importante e deve ser inerente ao profissional da saúde que atua na gestão de clínicas, bem como todo o Corpo Clínico presente no consultório. 

É necessário lembrar que o paciente já está sobre pressão e muitos sentem-se extremamente ansiosos apenas pelo fato de terem uma consulta agendada.

Por isso é de extrema importância trabalhar a sua capacidade empática e ser paciente afim de ter um atendimento eficaz e focado no paciente.

5. Utilize as novidades da tecnologia a seu favor.

Já falamos antes sobre a importância de saber utilizar a tecnologia a nosso favor. Quanto a relação médico-paciente, um bom software de gestão clínicas tende a otimizar os processos e estreitar as relações.

Recursos como o Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) são uma ferramenta que pode cumprir essa tarefa, mas os benefícios com a utilização de um sistema assim vão muito além dessa questão. 

Médicos gestores vêem a sua rotina completamente otimizada e transformada para melhor com o advento dos softwares médicos de gestão, afinal, eles foram pensados especificamente para este nicho e como tal, solucionam grandes necessidades comuns da área:

Agenda médica, marketing médico, faturamento com convênios (TISS), emissão de boletos e muito mais!

Este conteúdo te fez refletir verdadeiramente?

Essas foram cinco dicas infalíveis para otimizar o seu contato com o paciente através da gestão de clínicas. Seguindo essas etapas, você consegue tanto desenvolver seu atendimento quanto satisfazer seu público nesse ramo tão competitivo.

Entretanto, gostaríamos de te convidar a pensar com mais calma sobre tudo o que trouxemos aqui relacionado ao foco da sua gestão ser voltado ao paciente, além de apenas usufruir das nossas super dicas, combinado?

Responda para si mesmo: até onde você considera o paciente na hora de tomar as suas decisões? Independente da sua resposta, saiba que não é o suficiente. Acredite na gente. 

É hora de repensar muita coisa a respeito do seu negócio, porque por mais tradicional e consolidada que seja a sua área de atuação, a concorrência está sempre à solta.

Não deixe para repensar os seus passos quando estiver no meio de uma crise, dê hoje um passo à frente de tudo isso e prepare a estratégia do seu negócio de acordo com o seu bem maior: o seu público.

Esperamos que tenha gostado da discussão de hoje. Até a próxima!